Blog Biossegurança | Cristófoli

Blog Biossegurança | Cristófoli

Blog Biossegurança | Cristófoli

Apresentação da Empresa Fundada em 1991, a Cristófoli Equipamentos de Biossegurança é empresa líder em vendas de autoclaves de mesa no mercado nacional, já fabricou mais de 240 mil autoclaves para o Brasil e para mais de 30 países para onde exporta parte de sua produção. Os equipamentos fabricados pela Cristófoli são altamente funcionais, combinando tecnologia, design e sistemas diferenciados para atender cada vez melhor os seus clientes. Administrada pela família Cristófoli, tem sua sede na Rodovia BR-158, nº 127, em Campo Mourão, Paraná, Brasil. Fabricante e importadora de produtos para a saúde, a empresa tem vários diferenciais que a fazem uma das melhores do Brasil. Visão Ser referência mundial na área de saúde por crescer com criatividade, lucratividade e respeito às pessoas. Missão "Desenvolver soluções inovadoras para proteger a vida e promover a saúde". Histórico A Cristófoli se destaca por sua criatividade e inovação que há mais de 20 anos ajuda a construir a nossa história com invenções e produtos revolucionários para proteger a vida e promover a saúde. Certificações A conquista de um certificado é a aprovação para um sistema de gestão baseado em normas internacionais. É uma moderna ferramenta de administração e marketing que atesta a eficiência da empresa em determinada área para seus acionistas, clientes e mercado. Entretanto, para que uma empresa possa ser certificada, primeiramente um sistema de gestão deve ser implantado. Um sistema de gestão normatizado é a ferramenta mais moderna que existe para administrar informações, processos e pessoas envolvidas com uma ou mais atividades da empresa visando aumentar efetivamente sua eficiência. Clique nos certificados para visualizá-los. CERTIFICAÇÃO ISO 13485:2004 TUV MINISTÉRIO DA SAÚDE: AUTORIZAÇÃO DE FUNCIONAMENTO DA EMPRESA PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPO MOURÃO: ALVARÁ DE LICENÇA LICENÇA SANITÁRIA E DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL INSTITUTO AMBIENTAL DO PARANÁ: LICENÇA DE OPERAÇÃO CERTIFICADO DE REGISTRO ANVISA - EMBALAGEM PARA ESTERILIZAÇÃO CERTIFICADO DE REGISTRO ANVISA - EMBALAGEM PARA ESTERILIZAÇÃO - 10363350016 CERTIFICADO DE REGISTRO ANVISA - AUTOCLAVES CERTIFICADO DE REGISTRO ANVISA - CUBA DE ULTRASSOM Fundação Educere A Fundação Educere é um Centro de Pesquisas e Desenvolvimento na área de biotecnologia, cujo foco principal é a incubação de empresas a partir de um projeto social inovador que atua na formação de jovens com potencial empreendedor. A instituição fornece suporte para o desenvolvimento de novos negócios voltados para a difusão e transferência de tecnologia na área biomédica, e é referência em pesquisa e desenvolvimento de produtos inovadores e que agregam valor tecnológico, que estão presentes em todo o território nacional e em diversos países da América, Ásia e Europa. Visão Tornar Campo Mourão referência em pesquisa e desenvolvimento de produtos de saúde. Missão Descobrir e potencializar novos talentos para desenvolver um mundo melhor.

Nesse post uma reunião de dados interessantes sobre a hepatite C. Saiba mais sobre essa importante doença que é considerada a epidemia do terceiro milênio.

(Cristo Redentor Iluminado de amarelo e vermelho no dia 19 de maio – Outro dia destinado ao Combate às Hepatites)

Dados da Hepatite C

  • A Hepatite C é  considerada a epidemia do terceiro milênio. Silenciosa. Uma parcela dos infectados, se recupera espontaneamente, cerca de 15 a 20%.
  • Dos 80 % tornam-se portadores crônicos e cerca de 15 % desenvolvem ao longo da vida cirrose hepática e/ou câncer. Alguns fatores podem contribuir  para  uma evolução mais grave e mais rápida da doença, como a ingestão de bebidas alcóolicas e co-infecção com HIV, HVB e HVA. Por esse motivo, portadores crônicos de Hepatite C, devem receber vacinas contra as outras hepatites.
  • O vírus foi isolado em 1989, dez anos depois do vírus da AIDS. Antes da descoberta do vírus, era chamada de Hepatite não A não B. Somente em 1993 foi disponibilizado o teste específico para a doença e foram iniciados os testes em doadores de sangue. Como a doença tem evolução muito lenta, ainda hoje vemos as consequências das transfusões realizadas antes dos testes, que resultaram em infecções por Hepatite B.
  • Segundo dados da Organização Mundial de Saúde, 3% da população mundial, cerca de 200 milhões de pessoas, se encontram infectadas.

Hepatite C no Brasil

  • No Brasil, não existem dados concretos do número de infectados, mas  o número estimado esta entre 3 e 4,5 milhões de infectados-  pelo menos cinco vezes mais que os portadores de HIV . Acredita-se que somente 5% dos infectados conhecem a sua condição.

Agente e Transmissão

O vírus (é um RNA vírus) se transmite somente pelo sangue. Não há comprovação de contaminação por fluidos corporais, como saliva, suor, lágrimas, sêmen ou leite materno (a mãe contaminada pode amamentar).  A transmissão vertical também é considerada baixa, cerca de 5%, com risco aumentado quando a mãe é co-infectada pelo HIV. A contaminação sexual é possível, porém muito rara -menor que 3% em casais monogâmicos, sem fatores de risco para DST. Os novos casos são geralmente associados ao uso de drogas injetáveis ou aspiradas ( o canudo usado para aspirar a droga transmite o vírus quando compartilhado ), que representam 2/3 das novas infecções eacidentes com instrumentos perfuro-cortantes como agulhas, tesouras,bisturis, lâminas e alicates de unha, usados por barbeiros, manicures e pedicuros, quando não esterilizados corretamente, pois o vírus é resistentee pode sobreviver fora do organismo por até 72 horas.

Cerca de 10 a 30 % dos casos dessa infecção não é possível definir qual o mecanismo de transmissão envolvido.

Anti- HVC positivo. E agora?

 Enfrente! Procure um especialista. Um primeiro resultado positivo não significa que a pessoa está necessariamente doente. Novos testes devem ser realizados para determinar o diagnóstico.

Um resultado positivo isolado não define que a pessoa é portadora do vírus. Há basicamente três possibilidades:

  • Infecção passada
  • Infecção presente
  • Falso positivo

Se infecção ativa

Cerca de  20%  se recuperam espontaneamente (sem tratamento). É necessário fazer novos testes, para verificar se o vírus está ativo (PCR), em caso positivo, novos testes serão realizados para identificar o tipo do vírus ( hoje são mais comuns 6 tipos – que por sua vez apresentam sub-tipos). No Brasil o tipo 1 ( 1a e 1b), são os mais comuns seguidos do tipo 3.

A determinação do genótipo antes do inicio do tratamento é fundamental uma vez  que eles respondem de forma diferente ao tratamento, assim, alguns genótipos necessitam de 48 semanas de tratamento e outros com 24 semanas é suficiente. O teste para identificar o genótipo deve ser realizado somente uma vez, antes de iniciar o tratamento. Há casos de indivíduos infectados por mais de um genótipo, o que dificulta o tratamento, pois um deles pode rensponder e o outro não.

A grande variedade de genótipos dificulta o desenvolvimento de uma vacina efetiva contra  todos eles. Um paciente curado da hepatite C apresentará imunidade para somente o genótipo original, aquele que curou, mas estará sujeito a uma nova infecção por qualquer um dos outros genótipos, motivo pelo qual os cuidados para evitar contato com a hepatite C devem ser sempre considerados.

Como prevenir a hepatite C?

Não existe vacina para a prevenção da hepatite C, mas existem outras formas de prevenção primárias e secundárias. As medidas primárias visam à redução do risco para disseminação da doença e, as secundárias, a interrupção da progressão da doença em uma pessoa já infectada.

Entre as medidas de prevenção primária destacam-se:

• triagem em bancos de sangue e centrais de doação de sêmen para garantir a

distribuição de material biológico não infectado;

• triagem de doadores de órgãos sólidos como coração, fígado, pulmão e rim;

• triagem de doadores de córnea ou pele;

cumprimento das práticas de controle de infecção em hospitais, laboratórios,

consultórios dentários, serviços de hemodiálise.

Entre as medidas de prevenção secundária podemos definir:

• tratamento dos indivíduos infectados, quando indicado;

• abstinência ou diminuição do uso de álcool, não exposição a outras substâncias hepatotóxicas. Por esse motivo, o controle de peso, do colesterol e da glicemia são medidas que visam reduzir a probabilidade de progressão da doença. Isso porque estes fatores, quando presentes, podem ajudar a acelerar o desenvolvimento de formas graves de doença hepática.

 E você já fez um teste para HCV?

Eu já fiz o meu, mas de uma vez. Conhecimento é fundamental porque o diagnóstico precoce e acompanhamento por especialista é essencial para um bom prognóstico da doença.

Liliana Junqueira de P. Donatelli

*A logo Eu sou o n 12? é da Organização worldhepatitisallance.org

Autor

Bióloga, Mestre em Saúde Coletiva, Coordenadora do Projeto Biossegurança em Odontologia, e mais recentemente do Projeto Biossegurança Beauty& Body Art, ambos patrocinados pela Cristófoli. Já ministrou mais de 500 palestras sobre o tema Biossegurança em Saúde e participa ativamente de entidades dedicadas ao Controle de Infecção em Saúde e Interesse à Saúde. É consultora em Biossegurança em Saúde da Cristófoli.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.