Prática comum – a desinfecção de canetas de alta rotação e outras peças de mão é desaprovada por estudo

Para quem já colocou a Biossegurança como uma prioridade na prática odontológica, nenhuma novidade! A recomendação da esterilização das peças de mão em autoclaves foi recomendada há mais de 20 anos pelos CDC,  desde a publicação do guia Recommended Infection-Control Practices for Dentistry, 1993A recomendação, por sua vez foi amparada em estudos anteriores que corroboravam a importância da medida.A ANVISA em 2006, cita a publicação dos CDC no capitulo dedicado às linhas de água, ressaltando a necessidade.

A legislação do Mato Grosso para odontologia é pioneira na exigência da esterilização das peças de mão em autoclave. Outras legislações são vagas e pode ser um argumento para os que ainda não realizam o procedimento.

desinfecção de canetas de alta rotação
Imagem: Freedigitalphotos

Foram publicadas outras pesquisas mostrando a importância e eficácia da esterilização das pecas de mão em autoclaves (mesmo nas gravitacionais),  a ineficácia das barreiras externas como medida de prevenção de infecção cruzada nos consultórios odontológicos, assim como do álcool 70 % com ou sem limpeza prévia.

O novo estudo* foi realizado no Brasil e conta com a liderança da Dra Kazuko Graziano uma das mais eminentes pesquisadoras no ramo da esterilização no Brasil.  Os resultados reforçam que a medida é insuficiente para garantir a segurança dos pacientes.

Apesar de outros estudos já terem de alguma forma evidenciado a necessidade da esterilização de peças de mão em odontologia para cada paciente, ainda escutamos declarações como as que seguem:

Não tenho canetas suficientes para esterilizar entre um paciente e outro!

Planeje a aquisição de mais canetas. Ainda assim você pode começar a esterilizar duas vezes ao dia. No final de cada período.

Se esterilizar as canetas em autoclave vai estragar…

Os fabricantes de canetas de alta-rotação confirmam que o que mais danifica é a falta de lubrificante. Limpando a cada vez lubrificando e esterilizando a cada paciente a tendência é aumentar a vida útil da caneta.

Só esterilizo a caneta de alta rotação para cirurgias.

As peças de mão são instrumentos semi-críticos e como tal devem sofrer esterilização para garantir segurança ao paciente.

Uso barreiras de proteção nas canetas

As barreiras são inúteis pois são transfixadas pelas brocas. A parte interna também não recebe proteção. Além disso, é comum só trocar as barreiras sem limpar as canetas.

Passo álcool 70% na parte externa

A parte interna não é limpa nem desinfetada, o que invalida o procedimento como seguro.

Entretanto …

Essas afirmações fazem parte do cotidiano de milhares de dentistas no Brasil e continuam a ser defendidas sem  respaldo científico, expondo milhões de pacientes ao risco de contrair doenças infecciosas nos consultórios odontológicos.

Custos para a aquisição de materiais e tempo para o processamento dos artigos, continuam como desculpas para mudar velhos hábitos.

Para ajudar na decisão de mudança, novas tecnologias para limpeza das canetas prometem facilitar o processamento e ajudar na manutenção da qualidade das mesmas. A disponibilização de alguns itens descartáveis – como contra-angulos parar profilaxia com as taças montadas também contribuem para um controle de infecção efetivo e menos trabalhoso, e com o maior consumo, com preços mais convidativos.

É imprescindível esterilizar as peças de mão em autoclaves para cada cliente, ou usar modelos descartáveis. Canetas de alta-rotação, contra-angulos, pontas de motores de baixa rotação, de ultrassom, seringas tríplices   e todas as pontas que puderem ser desacopladas do equipo,  sempre seguindo as recomendações do fabricante quanto à limpeza e esterilização. Se a suas pontas não são compatíveis com a esterilização em autoclave, programe-se para trocá-las.

Os microrganismos nos desafiam mais e mais a cada dia.  Cabe a nós fazermos a nossa parte e  evitar que as doenças sejam transmitidas. Especialmente com o conhecimento que já foi estabelecido.

Você gostaria receber o seu atendimento odontológico com uma caneta que foi somente desinfetada com álcool 70%?

Realize o atendimento que você gostaria de receber, ou seja o melhor!

caneta alta rotação esterilizada

Liliana Junqueira de P. Donatelli

Para Saber Mais

The practice of disinfection of high-speed handpieces with 70% w/v alcohol: An evaluation

Legislação Mato Grosso Odontologia

Outras legislações _ Biblioteca Blog

Vídeos Relacionados

Como lubrificar peças de mão

Dica fundamental para a segurança do paciente_ esterilização canetas

Produtos Cristófoli Relacionados

Vitale_Class_
Vitale Class
Class_CD_Produtos para blog_2
Class_CD
Autor

Bióloga, Mestre em Saúde Coletiva, Coordenadora do Projeto Biossegurança em Odontologia, e mais recentemente do Projeto Biossegurança Beauty& Body Art, ambos patrocinados pela Cristófoli. Já ministrou mais de 500 palestras sobre o tema Biossegurança em Saúde e participa ativamente de entidades dedicadas ao Controle de Infecção em Saúde e Interesse à Saúde. É consultora em Biossegurança em Saúde da Cristófoli.

53 Comentários

  1. Claudiaejean Anghinoni Pompeu Reponder

    Oi liliana
    acho otimo falar sobre isso!
    gostaria de saber sua opiniao sobre: usar oleo lubrificante que nao seja hidrofilico ( o que eh dificil de encontrar) interfere na esterilizaçao, ja que sendo hidrofobico, em esterilizacao na autoclave com vapor umido, este impede o contato eficaz do vapor onde tem o oleo!
    resultando em falhas no processo de esterilizacao!


    • Vamos lá Claudia.
      Por partes! Creio que é fundamental falar sobre isso. Especialmente porque a nossa legislação em Odontologia não especifica a esterilizaçã das peças de mão (pelo menos na maioria das vezes). Embora seja evidente que são materiais semi-críticos e que a recomendação é esteriização, isso não fica claro apra todos.
      Cada óleo tem a sua indicação. Para lubrificar canetas só óleo da caneta e do fabricante da caneta é aindase de alta ou baixa rotação. Os lubrificantes hidrossúluveis para instrumental tipo Premix-Slip não são indicados para canetas e somente para instrumentais.
      Sim os óleos não são indicados para qualquer instrumento/artigo a ser esterilziado em autoclave porque protege os microrganismos do contato com o vapor ocasionando falhas na esterilização, como você mesma citou.
      Hoje com a internet tudo ficou mais fácil para encontrar.
      Liliana

  2. Pingback: Protocolo para limpeza e esterilização de canetas de alta rotação - Blog Biossegurança | Cristófoli

  3. Pingback: Esterilização de Peças de Mão -Editorial AJIC alerta para contaminação interna - Blog Biossegurança | Cristófoli


  4. Tenho uma dúvida. Posso colocar a caneta de alta rotação diretamente na autoclave nova da Cristófoli CD ou preciso embalar em envelope?


  5. Concordo que as peças de mão devem ser esterilizadas para todos os procedimentos. No entanto fico na dúvida se essa esterilização seria eficaz, uma vez que há um refluxo de fluidos para o interior das peças e as mesmas são higienizadas só externamente. Acho que está na hora dos fabricantes criarem peças que suportem a imersão em detergente enzimático e a lavagem ultrassônica, adequando seus produtos aos parâmetros da biossegurança.


  6. Gostaria de saber se tem outro produto mais eficaz q álcool 70 tipo ácido peracetico ou glutaron?


  7. Olá! Embora eu ache complicado implementar a prática (não é simples e acessível ter várias canetas, minha humilde opinião), não deixo de me interessar e me preocupar com o assunto. Duas perguntas:
    1. Quanto à limitação do álcool 70°, o questionamento se dá pq não há a ação interna ao equipamento ou pq o álcool não eliminaria alguns MOs da superfície externa?
    2. Pode ocorrer contaminação interna ao equipamento, vinda de fluidos do paciente, mesmo que haja apenas (no meu imaginário) uma única direção do flush e da alta pressão, do meio interno para o meio externo?


    • Vanessa
      1-O teste foi feto somente externo porque não se pode mergulhar a caneta em desinfetante.
      2- Sim, acontece refluxo dos fluidos para dentro da caneta…


      • Com certeza que não se deve mergulhar, o que eu quis dizer é que ao se fazer o ato de desinfecção com álcool, esse método só visa a parte externa. Há artigos que falam dessa contaminação no meio interno? Obrigada pela atenção!


        • Olá VanessaAh! Entendi seu ponto. Obrigada por esclarecer. Vou compilar alguns artigos e compartilhar aqui no Blog.
          Abraços e um ótimo final de semana.
          Liliana

  8. Eliane Palazzin Kuas Reponder

    Liliana, sou Podóloga e me preocupo em fazer o melhor, meu micromotor é de baixa rotação, será que a caneta dele suportaria a alto clave … e do led/laser; se não, como sugere que eu esterilize?
    No aguardo de seu retorno, agradeço antecipadamente.

  9. Kleber Meireles de Lima Reponder

    Como foram feitos os testes para aferir a possível microbiota existente dentro das turbinas? Quais os mecanismos reais de contaminação através das turbinas de alta rotação? Quais os microrganismos encontrados? Dr Kleber Meireles de Lima.

  10. Nilva Ambar Vitorino Reponder

    Realizo a esterilização, faço tudo corretamente ou mais próximo possível, peças q são levadas a boca p evitar a contaminação cruzada. Vcs não acham q a vigilância tb tem q propor aos restaurantes a esterilização dos talheres q são levados a boca também.


    • Nilva
      Embora pareça similar a situação é diferente. A saliva é considerada fluido potencialmente infectante no contexto odontológico. De um modo geral a lavagem dos talheres é suficiente. Grandes restaurantes, hotéis e hospitais usualmente utilizam máquinas termodesifectadoras.
      Liliana


      • Bom dia ! Essa questão me atormenta! Pacientes periodontais sangram demais a gengiva, ao mínimo toque. ..portanto, alguns talheres não são contaminados apenas por saliva! ! Como proceder?


  11. Liliana
    Parabéns pela matéria
    Adorei ver este assunto na web, com informações que ainda precisam de muita divulgação, pelo bem de nossos colegas, profissão e pacientes. Afinal nosso foco de atenção é a promoção da saúde e não da doença, e comprometimento da longevidade de nossos pacientes.
    Muito obrigado, em nome de todos que já esterilizam e daqueles que passarão a esterilizar as pontas, para cada atendimento, dando testemunho do entendimento do que é biossegurança e controle de infecções cruzadas,e suas importância.

    Mauro Teixeira

    .@tetodontologiasp


    • Mauro
      Obrigada por compartilhar a sua experiência e o seu testemunho com os nossos visitantes. Sei que você esteriliza as suas canetas há mais de 25 anos e tenho em você um grande líder em biossegurança na clínica. Você sempre foi uma inspiração para mim e tive orgulho de trabalhar com você e assistir o processo da Biossegurança nascendo dentro do seu consultório.
      Parabéns!
      Liliana

  12. Wander de Almeida Reponder

    Infelizmente a experiência com a esterilização das canetas não são boas. Lubrifico minhas canetas mais do que bebo água. Os fabricantes dizem uma coisa mas na prática não confere. A manutenção é absurda… Se você insistir nas peças de baixa rotação então, vai se decepcionar muito. Minhas canetas são de uma marca que se diz líder no segmento. Já conversei com bons técnicos e já me confidenciaram que as peças que realmente suportam vários ciclos são as peças específicas para cirurgia (caríssimas) e eu tenho. Realmente eu pude comprovar isto na prática. Com 26 anos de formado, eu sonho com o dia em que o Brasil mudasse e tivéssemos REAL QUALIDADE e pudéssemos arcar com tudo de forma justa. Tenho certeza absoluta de que todos querem fazer o melhor. Abraços e obrigado.


    • Wander
      Respeito a sua experiência. E espero que tenhamos cada vez melhores canetas no mercado. Vamos exigir essa qualidade dos fabricantes.Conheço vários profissionais que esterilizam a cada paciente.Quem sabe você não troca algumas idéias com eles para ver o que fazem diferente?
      Obrigada pelo sue testemunho.
      Liliana

      • Wander de Almeida Reponder

        Professora Liliana, bom dia. Estou de pleno acordo com a esterilização. Deve ser feito. O fato é que na prática é assim que “não funciona”. Não haverá conscientização plena em cima daqueles que bancam com os custos (e que são altos), senão teremos meramente um discurso político e o Brasil não está acatando isto mais. Citei o meu “tempo de casa” simplesmente para dar a noção de que todas as tentativas viáveis técnicas e práticas, foram e ainda continuam sendo feitas. E vão continuar sendo feitas enquanto eu “estiver de pé”. Minha família (toda) e todas as secretárias (todas…) que trabalharam comigo, inclusive a atual, são minhas clientes. Eu sempre disse e digo a elas: Aceite aquilo em que em você confia… Obviamente já troquei idéias com “colegas bons”. Me informo… Eu apoio a senhora 100%. A minha sugestão é que além da conscientização profissional (melhoramos muito graças a Deus), cobrarmos juntos veementemente a indústria em prol da qualidade, principalmente se formos formadores de opinião. Aí sim! Por enquanto, peça a estes vários profissionais que a senhora conhece, por favor, que mande para o meu contato, como eles fazem para não terem problemas técnicos com as canetas. Pessoas como a senhora tem a minha profunda consideração, senão, nem retornaria o post. Parabéns pela contínua contribuição com a classe.Precisamos de mais profissionais assim. Mais uma vez agradeço a oportunidade e grande abraço.


        • Wander
          Muito obrigada pela sua resposta. O que precisamos é mesmo nos questionar e trocar idéias. Buscando o que funciona e o que não funciona. Um dos meios é realmente exigir produtos melhores das indústrias. Por exemplo, tem produtos ótimos que não vendem porque ninguém compra -porque não entende que é importante, daí as dentais não vendem e as indústrias param de produzir. Um ciclo de insucesso. Um dos papéis das mídias sociais é proporcionar essas trocas. Ainda mais entre dentistas, tradicionalmente trabalham mais isolados uns dos outros. Fico contente em poder contribuir. Converse com o Dr Mauro dr.mauroteixeira@gmail.com . Ele tem uma experiência grande no assunto. Abraços
          Liliana


      • Liliana, devemos colocar as canetas/periféricos para autoclavar sem lubrificar? Após autoclavar, lubrificamos. Com o que limpar a peça para não danificá-la? Tenho 4 canetas de alta e duas de baixa. Posso autoclavar somente o contra angulo ou é necessário tb o micromotor?


        • Silvia

          A limpeza das peças de mão deve seguir as instruções do fabricante da mesma. Há algumas variações quanto às instruções para lubrificação. No meu entendimento deve ser prévia, pois fazendo a lubrificação posterior à esterilização corremos o risco de contaminar o caneta, mesmo usando um lubrificantes exclusivo para canetas autoclavadas. Sim, o adequado é também esterilizar o micromotor. Para isso siga as instruções de limpeza e esterilização do fabricante.
          Espero ter ajudado você.
          Atenciosamente,
          Liliana


    • Erica
      Desculpe, mas eu discordo de você. Frequento há anos os simpósios sobre controle de infecção da OSAP nos Estados Unidos.Lá eles também sofrem com falta de aderência às recomendações. Precisamos todos lutar por mais saúde. Não é questão muitas vezes de dinheiro. Quer coisa mais simples do que lavar as mãos? E ainda tem tanta gente que não higieniza. Não podemos desistir.
      Coragem!
      Abraços


  13. Já faço este procedimento a mais de 20 anos, já dei palestra a respeito da esterilização das canetas a uns 20 anos atrás. O título da palestra era ” Alta Rotação e AIDS “, mas os colegas na época não se interessavam sobre o assunto, é triste a falta de conscientização por parte dos Odontologia.Participei de debates sobre o assunto é perguntava se o colega atendesse um paciente com AIDS, hepatite B ,se ele atenderia o seu filho no próximo atendimento sem esterilizar as canetas, todos responderam que não, mas se fosse um paciente normal atenderiam.Total falta de responsabilidade é total descaso com os pacientes no geral.A secretária da saúde, não exige a esterilização das canetas entre um paciente e outro, muito errado também .Isto tem que mudar muitas vidas estão em risco por imprudência de dentistas e autoridades.
    Dra. Sônia Grigoletti CRO 5135ⁿ


    • Sonia
      Fico feliz que você tenha comentado. Nos conhecemos há muitos anos e conheço seu compromisso.Para você como alguns outros dentistas, não houve necessidade do trabalho da Dra Kazuko, nem da lei que ainda não chegou em São Paulo. Mas temos que nos dar as mãos e compartilhar o conhecimento, cobrar os colegas, lutar por leis que representem o conhecimento cientifico, facebookar, mostrar na mídia, contar para os pacientes. É nosso dever como profissionais da saúde. Simples assim. Vamos continuar lutando para ter saúde – para todos.
      Abraços carinhosos


  14. Professora Liliana, qual sua opinião sobre a desinfecção de alto nível das turbinas com ácido peracético (com agente anti corrosivo)?


    • Monique
      Não é possível mergulhar a caneta em produtos químicos.A desinfeção de alto nível não acontecerá, pois não é possível atingir as partes internas da caneta.
      Veja, se você é quem manda, você pode decidir e comprar mais canetas e autoclavá-las. Se não é você que tem o poder de decidir, e você só tem um jogo de peças de mão disponíveis use o ácido peracético entre cada paciente e duas vezes ao dia esterilize na autoclave. Não esta perfeito, mas já diminui a carga de microrganismos. Marque as cirurgias com as canetas estéreis. Sempre ao terminar o procedimento acione a caneta com a broca por pelo menos 40 segundos. Mas tenha ciência que ainda não está adequado OK?
      Abraços
      Liliana


  15. E o produto da fórmula e ação, específico para limpeza de peças de mão, que além do álcool 70 tem clorexidina?
    (Clean Form)


    • Cecília
      O produto não foi testado. Mas vale lembrar que é somente para aplicação externa. ë importante autoclavar para agir na parte interna das canetas.
      Liliana


    • Lus Carlos
      Não é fácil! Mas mesmo nos serviços públicos é possível esterilizar em autoclave no final de cada período, com somente uma caneta. Já diminui a quantidade de microrganismos sem nenhuma aquisição adicional.
      Repetindo o Mario Sérgio Cortela:”Fazer o melhor possível com as condições existentes, e quando as condições permitirem fazer ainda melhor”.
      Entendo as dificuldades, mas tem coisas que não custam absolutamente nada – só vontade de fazer.
      Coragem!
      Abraços
      Liliana

  16. Fábio Martins Reponder

    Parabéns Dra. Liliana pelo post. Um ato muito bem lembrado que jamais, nós CD’s, devemos ignorar.
    Prof. Dr. Fábio Martins


    • É muito importante divulgar. Obrigada pela sua participação sempre.Por incrível que pareça recebi a notificação pela OSAP…
      Abraços
      Liliana

Deixe uma resposta